• Amor paliativo

    – Não sei por que os bichos que damos a ele morrem tão rápido. Ele cuida com tanto carinho. – Ah, Regina, é assim mesmo. Zequinha é um menino muito bom. Atrai muita inveja e os animais morrem para protegê-lo de mau-olhado. Da sala, de onde ouvia a conversa da vizinha esotérica com a mãe, Zeca partiu desesperado para o quintal. Lá estava o seu zoológico particular, condenado. Por amor, sabia que precisava deixá-lo partir. No mesmo dia à tarde, já havia distribuído os animais entre os vizinhos, excluindo da lista, é claro, os invejosos. Foram-se os marrecos, as garnizés…

  • Rogai por vós

    Em todas as vezes que rezava o “Pai Nosso”, invertia com tanta convicção alguns “nossos” e “vossos” que quando chegava ao “amém” parecia estar reclamando o trono de Deus. Mas não fazia isso por soberba. É que…

  • Milagre da multiplicação

    O verão saturava o azul do céu de Candela. O calor era intenso num ar estático aprisionado entre as montanhas. Mas as crianças hiperativas estavam proibidas de por a transbordar de água potável suas piscinas portáteis de…

  • O velho pião

    Ele estava lá. Mas o amigo não. Sentado sobre a mureta de pedra da ponte antiga que une os dois lados do rio em sua entrada em Candela, estava Antônio. Em apenas oito anos de vida ele…

  • No caminho do ouro?

    Bem na entrada de Candela, na praça do trevo, há um totem da Estrada Real, sinalizador comum em regiões por onde os caminhos do ouro passaram. No caso do monumento candelense, colocado ali não se sabe por quem,…

  • A três

    Há quem diga que três é o número da confirmação. Em Candela, na pracinha do Bairro dos Operários, três simboliza a fofoca. É que bem em frente ao local, quis o destino que três casas de paredes-meias…

  • A cidade

    Candela é dessas típicas cidades mineiras com seus pouco mais de 15 mil habitantes, segundo o último Censo, e 20 mil conforme juram de pés juntos seus defensores moradores. E como todo município de Minas Gerais, fica bem ali,…